domingo, 3 de maio de 2009

Mendoza "Terra do Vinho" - E de muito mais! Aconcágua, Bons Restaurantes, Gente Hospitaleira!

Quando se pensa em Mendoza, automaticamente se associa à degustação de vinhos, entretanto, a província, além das belíssimas vinícolas, tem muito mais a oferecer!
Completamente destruída por um terremoto em 1861, a cidade foi reconstruída a uma pequena distância do local original. Mendoza está localizada aos pés da cordilheira dos Andes e pode ser considerada como um oásis, pois é tão arborizada que esquecemos que a cidade está situada numa região semidesértica.
.
A água que abastece a cidade vem dos rios Mendoza e Tunuyán, que têm origem do degelo dos Andes. Uma das maiores curiosidades da cidade é um sistema de irrigação para aumentar a umidade do ar. Trata-se de canaletas que percorrem a maioria das ruas com água proveniente desses rios. O sistema é controlado por comportas que são abertas durante o verão, em dias muito secos.

Na foto acima se pode observar a canaleta percorrendo a rua por onde passeia de bike a Aninha, que conhecemos durante a visita à Bodega da Família Zuccardi. Aninha mora no Prata, uma cidadezinha de Minas Gerais que dista 70 kms de Uberlândia (Udi). Seus filhos fazem faculdade em Udi, por isso, ela e seu marido Luiz Carlos sempre estão por lá.
A cidade de Mendoza é muito bonita e aprazível, independente do clima, onde predomina a aridez vinda dos Andes, pois é incrivelmente arborizada e tem muitas praças e fontes. Das várias praças, as principais são cinco, bem centrais, projetadas como áreas de escape em casos de terremotos (raros!). A maior é a Praça da Independência, além de outras quatro menores, todas à mesma distância da principal. Na maior, encontramos o Museu de Arte Moderna de um lado e, do outro, o Teatro Municipal, ambos no subsolo.
.
Essas cinco praças podem ser vistas no mapa acima. Elas estão localizadas abaixo do Parque Central, acima do Bairro Cívico, espaço urbanístico também muito arborizado, e a direita do enorme Parque San Martin.
Uma das grandes atrações urbanas é o parque San Martín. Com mais de 300 hectares o parque é muito procurado pelos mendocinos e turistas para caminhadas, corrida ou simplesmente para passear pelos seus bosques.


Portal de entrada do enorme Parque San Martin
.
Por influência de sua colonização, em toda Mendoza existe o hábito da siesta, onde praticamente todo o comércio fecha após as 13h, só reabrindo no final da tarde. Por conta disso, os passeios se estendem noite adentro, com muitas pessoas nas praças e restaurantes até altas horas.
.
Como nossa viagem foi maravilhosa e tudo deu super certo, resolvemos descrevê-la de uma forma diferente, para que outros possam usufruir o melhor de Mendoza, assim como fizemos. Então, a descrição de nossa estada será feita através de dez dicas sobre a Província. Esperamos que estas possam ser úteis a outros viajantes!
.
Dez Dicas para Conhecer o Melhor de Mendoza
.
1ª Dica: Sua permanência na província deverá ser de, no mínimo, cinco dias
.
Se você quiser realmente conhecer as melhores vinícolas, apreciando e degustando os bons vinhos da Província de Mendoza, quiser também conhecer os pontos turísticos da capital, que leva o mesmo nome da província e, ainda, fazer o passeio (imperdível) até o Cerro Aconcágua, a segunda montanha mais alta do mundo e a primeira das Américas, o ideal é permanecer na cidade por no mínimo cinco dias, já que as melhores vinícolas da Província se encontram em três localidades distantes umas das outras. (Maipu, Valle do Uco e Lujan de Cuyo).
.
Maipú - Bodega da Família Rutini (La Rural)

Bodega Andeluna – Valle de Uco

Vinhedo da Catena Zapata, Lujan de Cujo
.
2ª Dica: Selecione as seis melhores bodegas para conhecer, distribuídas entre as regiões de Maipú, Valle do Uco e Lujan de Cuyo
.
Escolha duas das melhores bodegas de cada uma dessas regiões vinícolas e as aprecie com calma. Não adianta conhecer um monte delas e não curtir nenhuma. Estaremos recomendando duas das melhores bodegas de cada região mais adiante.
.
3ª Dica: Para conhecer bem as vinícolas, não o faça através de nenhuma excursão. O melhor é contratar um serviço personalizado
.
Não faça excursões às vinícolas (pacotes turísticos oferecidos por várias empresas, de forma massificada), pois nesses passeios, normalmente fica tudo muito corrido. Além disso, nessas excursões, durante as degustações, os grupos são muito numerosos, impedindo um atendimento mais personalizado e, normalmente, apenas uma vinícola do programa é muito boa, ou seja, “a isca do programa”. Aí, se perde muito tempo com muitas outras vinícolas que poderiam ser perfeitamente dispensadas, em prol de outras que não poderiam deixar de serem visitadas. Por tudo isso, esta dica é: contrate um motorista particular (não um táxi, porque acabaria ficando mais caro), diga quais as vinícolas que quer conhecer e negocie com ele o seu próprio pacote.
Nós recomendamos o Alejandro, que não é apenas um motorista. Ele tem curso de guia turístico, possui um alto nível cultural, dirige super bem, não fica falando sem parar e, o melhor de tudo, cobra um preço honesto! Além disso, ele é também um bom conhecedor de vinhos. Indo às bodegas com o Alejandro, pagamos bem menos do que pagaríamos se tivéssemos aderido às excursões e ele ainda fez todas as reservas nas bodegas. Acabamos tendo um tratamento personalizado, fizemos tudo com calma, parando onde queríamos e só fomos às bodegas que realmente selecionamos. e-mail: alextransfers@hotmail.com / tel: (0261) 156 595315 – Nextel 589*2289
.
Alejandro, ao lado do Paulo, na Bodega Catena Zapata
.
4ª Dica: Conheça Gente!
.
Essa vale para qualquer viagem! Estejam viajando em casal, como foi o nosso caso, sozinhos, ou em grupo, não fiquem fechados nos seus mundinhos de relacionamentos pré-estabelecidos. Aproveitem os ares novos para conhecerem os povos dos lugares por onde passarão e, ainda, os turistas de todos os lugares do mundo, que, assim como vocês, escolheram o mesmo destino. Esses conhecimentos são sempre interessantes e enriquecedores. Afinal, é sempre bom fazer amigos!
.
Mariza, Marcão, Fabiana, Fernanda, Ivanice, Cristina, Aninha e Gina - conhecemos essa turma super animada no 1º dia de nossa viagem, na Bodega da Família Zuccardi. A maioria deles é de Uberlândia, Minas Gerais. Como não fomos às bodegas através de nenhuma excursão local, esse conhecimento foi mesmo fruto de uma empatia que se deu naquele momento.
.
Essa galerinha participou conosco do mesmo tour às Altas Montanhas, que inclui o passeio do Aconcágua. Esta foto foi tirada por Daniel, nosso guia, em frente ao ponto turístico conhecido como “A Ponte dos Incas”.
.
Daniel, nosso guia nas Altas Montanhas – Seus esclarecimentos sobre o passeio foram fundamentais para que apreciássemos melhor toda a região. Daniel também nos brindou com capítulos muito interessantes da História da Argentina e dos povos andinos, de um modo geral. Ele tornou nosso passeio muito mais enriquecedor.
.
No Valle do Uco conhecemos outra galerinha que, coincidentemente, foi às mesmas duas bodegas que fomos. Desse grupinho, destacamos a simpatia da americana, aliás, uma autêntica americana, pois Claudette Tirschel, descende dos Cherokees. Quanta história ela deve ter ouvido de seus avós sobre seus antepassados...
.
Outro conhecimento interessante foi com o proprietário desse maravilhoso restaurante, que nos contou como abandonou a profissão e, junto com sua família, saiu de Buenos Aires para se estabelecer no Vale do Uco, na cidade de Tupungato. Optou por uma vida diferente, com mais qualidade. Está felicíssimo!
.
Não poderíamos deixar de citar o Alejandro, que nos acompanhou em todas as bodegas e também em um longo passeio pela capital de Mendoza. Alejandro também tem uma história interessante pra contar, aliás, se formos bem atentos, verificaremos que cada pessoa tem uma vida e um destino que renderiam vasta matéria para um excelente livro. Alejandro, por exemplo, é neto de imigrantes italianos, daqueles que tinham seu próprio vinhedo. Daí o fato dele ser tão bom apreciador e conhecedor dos vinhos mendocinos. É filho de médicos e ele próprio abandonou a Faculdade de Medicina no 4º ano. Este foi outro que adotou um tipo de vida não convencional, pois em função de seu amor por viajar, resolveu ficar no ramo do turismo, por conta própria, com liberdade. Além disso, Alejandro foi jogador de rugby, um dos esportes mais populares da Argentina. Chegou a ficar na reserva dos Pumas, como são chamados os festejados jogadores da Seleção Nacional Argentina de Rugby. Por isso e também por seu amor ao motociclismo, Alejandro conheceu quase o mundo todo e, apesar de ser muito discreto e calado, quando solicitado, tem inúmeras histórias pra contar. Na foto acima Alejandro está ao lado de Paulo, no Cerro da Glória, que fica no Parque San Martin.
.
5ª Dica: Almoce na bodega da Família Zuccardi e conheça a da Família Rutini, ambas em Maipú
.
Em Maipú, não deixe de conhecer a vinícola Rutini, também conhecida como La Rural. É a mais antiga da região e possui um museu muito interessante. O ideal é fazer esse passeio na parte da tarde, deixando a parte da manhã para conhecer a Bodega da Família Zuccardi, que pode não estar entre as mais bonitas, mas possui alguns dos melhores vinhos. Além disso, vale a pena aproveitar para almoçar no restaurante da vinícola, que é lindíssimo!
.
Durante a degustação na Bodega da Família Zuccardi,
parte do simpático grupo de 22 mineiros de Uberlândia
.
Esta foi a primeira bodega que visitamos, a da Família Zuccardi. É uma das bodegas imperdíveis, da localidade de Maipú. Foi aí que conhecemos o pessoal de Minas ao qual já nos referimos. Essa galera faz parte de uma Confraria de Vinhos em Udi (É como eles chamam a cidade de Uberlândia). Segundo Aninha, foi o presidente dessa confraria, Luciano Messias, que programou esta viagem. Foi aí que conhecemos o grupo.
.
Esta é a Aninha, na entrada do Restaurante da Bodega da Família
Zuccardi. Ela mora no Prata, pertinho de Udi, onde é proprietária
e professora de uma Escola de Natação e Hidroginástica
.
Aninha e seu marido, Luiz Carlos (apelido: Tutá),
que é comerciante, do ramo de Materiais de Construção

.
Restaurante da Família Zuccardi
.
Segundo Aninha, o almoço de lá foi maravilhoso, com muita uva de entrada e também na sobremesa! Lá, pode-se degustar dois tipos de menu. O tradicional, que inclui empanadas, saladas, carnes assadas ao estilo portenho e sobremesas e o menu Degustação, que inclui pratos elaborados com ingredientes locais, que variam de acordo com a estação do ano e buscam uma harmonização entre os pratos, vinhos e azeites varietais da Família Zuccardi.
Mas muita atenção- Se quiser almoçar no Família Zuccardi, faça reserva com antecedência. http://www.familiazuccardi.com/
.
Na parte da tarde, a melhor opção é ir conhecer o museu e degustar vinhos na bodega mais antiga da região, a da Família Rutini, também conhecida como “La Rural”. Uma das coisas mais interessantes é o painel de azulejos da foto abaixo.
Nessa bodega podemos apreciar como eram fabricados os vinhos de Mendoza nos primeiros tempos. Outra coisa bacana foi o fato de terem deixado no museu os objetos, utensílios e transportes da época, independente de fazerem ou não parte da fabricação de vinhos. É um verdadeiro museu de costumes mendocinos.

.
6ª Dica: Não deixe de ir ao Valle do Uco.
É imperdível!

.
As duas vinícolas que recomendamos de lá são a Salenteim e a Andeluza. Mas se quiser acrescentar ao programa uma bodega pequenina, bem autêntica, recomendamos a Altus. Estando no Valle do Uco, não deixe de almoçar no restaurante Tupungato Divino. É maravilhoso e o atendimento super personalizado. Já falamos sobre o seu proprietário anteriormente (vide quarta dica).

Na Bodega Altus foi onde apreciamos melhor a explicação sobre o plantio e cultivo das uvas, talvez pelo fato dela ser bem pequenina.
.
.
Salenteim – Impactante!
.
Não é apenas uma bodega. É um complexo arquitetônico grandioso, onde o esmero com que se cultivam as uvas se alia a mais avançada tecnologia para se chegar à excelência de um dos melhores vinhos do mundo.
.
O que se vê na foto acima é apenas o térreo, pois a bodega se estende enormemente no subterrâneo.
O seu interior subterrâneo é igualmente suntuoso. A iluminação remete àquela que se usa para as obras de arte.
Essa bodega não pertence a argentinos. Ela é de propriedade de holandeses. Dizem que pertence à família real.
No complexo da bodega há também um Centro Cultural, com inúmeras obras de arte.
.
Nossa amiga Claudette durante a degustação
.
É hora do almoço no Valle do Uco
Que divino é o Tupungato Divino!

.

Essa foi uma indicação de Alejandro. Jamais chegaríamos até lá se não fosse por ele. Não nos arrependemos. É realmente divino! Ambiente super acolhedor, atendimento personaliado e culinária deliciosa!

Do começo ao fim!
.
Após o almoço maravilhoso, turista não tem direito à siesta...
É hora de voltar aos trabalhos!
.
Bodega Andeluna - Linda, de tirar o fôlego!
.
Logo na chegada, já se percebe a beleza do lugar!

Que vinhedo! Que vista!
.

A construção nos remete a uma enorme casa de campo,
tornando-a mais acolhedora que as demais.

.

As explicações fornecidas pela hostess da bodega também foram muito boas. Já podemos começar nossa própria finca! Mas se não quisermos continuar com a aula...
.
...podemos ficar apenas descansando em uma enorme varanda, com uma vista lindíssima! Que vida dura!
.
Mesmo com toda essa beleza, nota-se que nessa bodega há trabalho com afinco!

A bodega Andeluna também é lindíssima em seu interior. É uma beleza suntuosa, entretanto, extremamente aconchegante. Achamos a Andeluna a mais bonita e confortável de todas as bodegas que visitamos.
.
7ª Dica: Não deixe de visitar as vinícolas da região de Lujan de Cuyo! Lá estão os melhores “Malbec” que fizeram a fama de Mendoza
.
As que recomendamos são a Catena Zapata e a Norton. Uma “dica dentro da dica”, igualmente imperdível, ainda sobre Juan de Cuyo, é para almoçar em um restaurante bem diferente e encantador! Se estiverem em casal, ou mesmo em dois casais, peçam para reservar para vocês a Sala I (Don Guillermo), onde terão, somente para vocês, uma espécie de cabana andina, típica e meticulosamente decorada. Existem outros espaços dentro do restaurante que está localizado no sítio onde fica a belíssima casa do primeiro governador da Província de Mendoza. Para completar, já que você está em Lujan de Cuyo, aproveite para conhecer a localidade chiquerésima de Chacras de Coria. Lá é o melhor local para se morar e é muito perto!
.
Catena Zapata – Latinidade de arrepiar!
.
Um brinde à Catena Zapata!
Esta é uma bodega que orgulha os argentinos!
E nos orgulha também, como sul-americanos!
.
Na entrada da Finca, já sentimos um astral diferente. Parece que a Cordilheira protege a tudo e a todos!
Chegando mais próximo da bela construção em estilo maia, percebemos sua grandiosidade!
.
Todo o prédio foi erguido e decorado com materiais da região. O estilo maia foi proposital. A família queria que essa fosse reconhecida mundialmente como uma bodega da América Latina! A parte que se vê não mostra o tamanho da bodega, que possui uma enorme área subterrânea. A cúpula da construção que se vê na foto é, na realidade, o topo da torre de vidro que dá acesso a um enorme terraço.
.
Deste terraço a vista é esplendorosa!
.
A iluminação especial que há no interior, onde ficam os barris
de carvalho, insinua que ali existe arte!
.
Quando se entra na área onde se encontram inúmeros e enormes tonéis de aço inoxidável, nota-se a grandiosidade da produção e a alta tecnologia ali existente.
É super interessante verificar que daquelas passarelas altas é que se tem acesso aos enormes tonéis, para o manejo necessário ao bom vinho que fez a fama e tantos prêmios conferiu à Catena Zapata.
.
Durante a visitação é possível verificar os
trabalhadores em plena atividade.
.
Outro brinde! Catena Zapata é maravilhosa!
.
.
Se tivéssemos que escolher apenas duas bodegas de toda a província de Mendoza, apesar de toda a grandiosidade da Salentein, sem dúvida, Andeluna e Catena Zapata são as nossas preferidas!
.
É hora do almoço em Lujan de Cuyo
Cava de Cano foi um achado!
.
O restaurante fica no sítio da antiga Casa de Don Guillermo Cano,
primeiro Governador da Província de Mendoza
.
O charme especial do restaurante reside no fato do proprietário ter distribuído, por todo o sítio, várias cabanas que permitem a seus freqüentadores desfrutarem de almoço exclusivo. Nós almoçamos na Sala I, denominada Don Guillermo. Esta sala acomoda até dois casais, mas foi exclusivamente nossa.
.
Ao sermos convidados a entrar, ficamos impressionados com a quantidade e variedade de pães, frios, queijos e outras tantas tigelas com comidinhas tipicamente andinas. Mais espantados ficamos quando soubemos que tudo aquilo seria apenas a entrada, procedida de empanadas, um prato típico de carne cozida e um prato de massa, ou pasta, como chamam. Tudo isso finalizado por uma deliciosa sobremesa. Não fosse a exclusividade do tratamento e a deliciosa gastronomia andina, já ficaríamos encantados somente apreciando todos os inúmeros detalhes que adornam a cabana andina, como o troféu da cabeça de javali, as várias peles de caça andina, os retratos antigos de família e outros enfeites estrategicamente assentados, dando um ar encantador e pitoresco ao local.
.
Para finalizar a refeição, o café foi servido na área externa, próxima a um forno de lenha e, para continuar nos surpreendendo, o proprietário nos ofereceu charutos e espumante. Tratamento irrepreensível e cativante! Recomendamos!
.
Fim do Almoço, de volta aos trabalhos,
ou melhor, à Bodega Norton
.
A Norton talvez seja a bodega de Mendoza que mais exporta vinhos para o Brasil. Por isso, ela é extremamente conhecida por todos nós. É muito interessante observar sua adega histórica, onde estão os vinhos mais raros e antigos.
.
Os subterrâneos da Norton também são muito bonitos. Lá embaixo, parece um labirinto, cheio de adegas distintas. Essa bodega foi vendida ao austríaco Hans Swarowsky, dos famosos cristais Swarowsky.
.
Pode-se percorrer todo o sítio da Norton nesse tipo de transporte, que demonstra a preocupação e oferecer conforto para os visitantes.
.
Paulinho parecia criança em shopping! O que deteve um pouco mais o “menino” foi o limite de peso que nos é imposto pela empresa aérea.
.
Chacras de Coria
Uma belíssima “dica dentro da dica”
.
Estando em Lujan de Cuyo, não há como deixar de conhecer o belíssimo bairro de Chacras de Coria. O melhor lugar para se morar, com ruas muito arborizadas e lindos casarões. Sua bela e singela igrejinha é muito procurada para os casamentos dos milionários que habitam o bairro.
.
A pracinha do bairro também é encantadora. Dá pra sentir que ali há mais qualidade de vida. Até a vegetação parece ser mais exuberante. Chacras também possui um comércio mais refinado e uma intensa vida noturna. Ali se encontram vários bons restaurantes, freqüentados também pelos moradores da Cidade de Mendoza que, afinal, é muito próxima.
.
8ª Dica: Curta intensamente as noites de Mendoza! Os prazeres da boa mesa o aguardam!
.
Já que sugerimos a permanência na cidade por cinco dias e ainda, oferecemos sugestões de excelentes restaurantes para almoçar nos passeios às vinícolas, nos vemos obrigados a indicar também algumas opções para curtir bem suas cinco noites, não, sem antes, indicar um bom hotel para essa permanência.
Ficamos hospedados em um excelente hotel, o Villaggio Boutique, pagando um preço bastante acessível. Mas devemos registrar que isso só foi possível porque o reservamos através de um site de Mendoza que oferece promoções. Assim, pagamos apenas a diária de 80 dólares por uma suíte maravilhosa e ficamos em um hotel boutique, cuja diária é de no mínimo 120 dólares. Essa foi uma promoção que eles chamam de “Último Minuto”. Portanto, vai aí outra “dica dentro da dica”: Acesse o site http://mendoza.com.ar/ para verificar outras promoções como esta.
.
Nosso Hotel - Villagio Boutique
.
.
Curta as noites de Mendoza
.
1ª Noite– Você acabou de chegar. Provavelmente, ainda está cansado da viagem. Então, o melhor é ir pra cama mais cedo, para se recuperar e curtir bem os próximos dias. Nem por isso é preciso deixar de aproveitar a sua primeira noite na cidade. Então, a sugestão é ir curtir essa noite, direto do seu programa do dia, sem passar antes no hotel. O melhor, nesse caso, é fazer como os nativos que não estão de férias. Vá ao happy hour local! Fica na Rua de Pedestre, a Peatonal Sarmiento, bem pertinho da Praça da Independência. Aproveite para passear nas lojas que ainda estiverem abertas e passar na Casa Havana e comprar uns alfajores! Depois, é só escolher o local para fazer o seu happy hour!
.
.
2ª Noite- Já está na hora de conhecer um restaurante com a cara da cidade, super charmoso, aconchegante, com culinária sofisticada e saborosa. Nossa sugestão é o Restaurante Azafrán, também situado na Rua Sarmiento, do lado oposto à Peatonal (Rua de Pedestre). Vale a pena dar um rolé nesse lado da Sarmiento, pois tem outros bons restaurantes e a rua fica bem festiva. É um dos points noturnos da cidade.
.
Comida deliciosamente elaborada por um custo honesto. Digamos que não é super barato, mas, se comparado ao preço dos restaurantes de mesmo porte, no Rio de Janeiro, até que o preço é bacana. Coincidentemente, nossos amigos de Uberlândia também estiveram por lá, só que em outra noite, do contrário, os teríamos notado, com certeza!
.
.
3ª Noite- Hoje é noite de parrilla! Na noite anterior você terá passado por várias casas de parrilla e, com certeza, vai ter ficado com o maior desejo, pensando principalmente no famoso bife de chorizo argentino. Nessa noite você irá matar esse desejo, saboreando a melhor carne da cidade, no El Pátio de Jesús Maria. E por um preço super bom!
..
4ª Noite- Prepare o bolso, já que os preços são salgados, mas você não vai se arrepender, pois hoje será noite de Gala (mas o traje é social). A nossa sugestão é o famoso Restaurante 1884, também conhecido como Escorihuela, do renomado Chef Francis Mallmann, o primeiro restaurante no interior de uma bodega argentina, a famosa Escorihuela. (Não fica na capital, e sim, em Godoy Cruz, mas é como se fosse, pois é pertíssimo, coladinho!)
.
O atendimento é impecável e a culinária é excelente!A bodega sofreu recentemente um incêndio, mas já está sendo recuperada. O interior do restaurante é muito bem decorado. O local está cercado de história. Do restaurante se tem acesso ao pátio interno, ao ar livre. É muito agradável!
.
5ª Noite- Infelizmente nós só passamos 4 noites na cidade, pois só conseguimos vôo de retorno ao Brasil em data que nos obrigou a retornar para Buenos Aires um dia antes do pretendido, mas felizmente bem tarde. Mas se tivéssemos que repetir a dose, não deixaríamos, de jeito algum, de passar uma noite em algum dos inúmeros bares ou restaurantes de um dos melhores e mais descolados points da atualidade, a Calle Aristides Villanueva. No dia da despedida da cidade, passamos pela rua e o astral é ótimo!
.
.
9ª Dica: Não deixe de fazer o passeio às Altas Montanhas e ir até o Parque Provincial do Aconcágua, onde está a base deste, que é o monte mais alto dos Andes, aliás, das Américas. E o segundo mais alto do mundo!
.
Sugerimos que seja utilizado o serviço de uma operadora da excursão para as Altas Montanhas. Esse passeio é imperdível! Alertamos que nem todos os guias enfrentam o sinuoso caminho que leva os turistas até o Cerro do Cristo Redentor. Procure um guia que o faça!
.
O Cerro Cristo Redentor na antiga divisa com o Chile. É altíssimo. Em seu topo, temos a vista mais próxima do Aconcágua, pois estamos o mais próximo que se pode chegar sobre rodas. A altitude fantástica do Cerro Cristo Redentor é de 4.200 metros!
.
No topo deste cerro encontramos a imagem de Cristo, que simboliza a amizade entre Chile e Argentina. De lá, também avistamos os picos dos Andes Chilenos.
.
Essa altura é incrível! O vento aumenta o frio que sentimos lá de cima, quase no topo do mundo! Mas atenção! Se você for cardíaco, ou tiver pressão alta, nem pense em fazer esse programa! Caso contrário, se você gostar de um pouco de aventura e de muita emoção, encare o fato que poderá ter tontura e dor de cabeça, mas vale a pena!
.
O nome dessa excursão que nos leva ao Parque Provincial do Aconcágua é Altas Montanhas. O guia que nos acompanhou nessa excursão foi excelente! Ele nos contou, com muita competência, sobre a História da Região, da Argentina e dos países andinos. E ainda por cima, nos levou ao Cerro do Cristo Redentor. Portanto, anote, pois essa é outra “dica dentro da dica”: O nome dele é Daniel Ortiz. doturismo@hotmail.com
.
Daniel Ortiz ao lado de Paulo Roberto, na feirinha em frente à Ponte dos Incas,
um dos pontos turísticos do Tour para as Altas Montanhas
.
Mas esse tour da Altas Montanhas não se restringe ao Parque Provincial do Aconcágua, com seus 71 mil hectares, e o Cerro do Cristo Redentor. Passamos também pela Ponte dos Incas, uma ponte “construída” pela natureza, que tem este nome porque foi utilizada pelos incas como caminho. A ponte natural é formada pela ação das águas quentes do local, a 2.700 metros de altitude, com suas águas termais sulfurosas e radioativas. Fica em cima das ruínas das banheiras do antigo hotel, por onde ainda correm as águas termais. Este antigo hotel foi destruído por uma avalanche.
.
.
Outro lugar incrível que conhecemos nesse passeio é a Ponte Colonial Picheuta. É uma ponte colonial de pedra que atravessa o rio de mesmo nome, com suas águas geladas e cristalinas.
.
.
Mas o tour ainda oferce outros atrativos. Percorre Potrerillos, Uspallata, Punta Vaca, o centro de esqui Los Penitentes e permite um visual incrível do Cerro Tupungato durante grande parte do percurso.
.
10ª Dica: Além das visitas às três localidades onde estão as melhores bodegas e do passeio às Altas Montanhas, não deixe de reservar um tempo, no mínimo um dia inteirinho, só para explorar a cidade de Mendoza! Agora você entendeu porque são necessários cinci dias?
.
A “dica dentro desta dica” é o Parque San Martin, imperdível! A cidade é incrivelmente tranqüila, esbanjando charme e elegância. Com muitos parques e praças, a cidade oferece paisagens deslumbrantes, muitos passeios em meio ao verde e muitos prédios históricos e museus.
.
Na foto acima, vemos um dos prédios mais interessantes
da cidade. É um lindo prédio histórico onde funciona hoje um banco.
.
Um dos passeios imperdíveis é o Parque San Martin. Lá, pudemos passear longamente. São várias as atrações do Parque San Martin.
.
Alameda das Parreiritas Altas, no Parque San Martin
(Foto tirada por Aninha, nossa amiga de viagem)

. . .
No Parque San Martin fica também o Estádio de Futebol
construído para a Copa do Mundo de 1978

.
Anfiteatro do Parque San Martin
.
É lá também que fica o anfiteatro onde acontece, no primeiro fim de semana de março, a festa anual em homenagem à indústria principal dos mendocinos. Esta celebração ocorre desde 1936. É a Fiesta Nacional de la Vendimia.
http://www.vendimia.mendoza.gov.ar/vendimia/
.
Fonte Principal do Parque San Martin
.
Lago do Parque
..
Um dos pontos turísticos mais interessantes de Mendoza se encontra também no Parque San Martin. É o Cerro da Glória.
.
O principal mirante da cidade, abriga o
“Monumento al Ejercito de los Andes”
.
Cerro de la Gloria, um dos mirantes mais privilegiados da
cidade de Mendoza chamado antigamente de Cerro del Pilar
.

O monumento em homenagem à campanha do exército libertador, a heróica travessia dos exércitos comandados pelo general San Martín, que conseguiu cruzar a Cordilheira com seus comandados, surpreendendo os espanhóis no Chile está instalado dentro do Parque San Martín, no alto de um morro, e é uma de suas principais atrações. Todo em bronze, tem na volta do pedestal esculturas encravadas contando a história da campanha de libertação da Argentina, Chile e Peru, que teve Mendoza como palco de alguns de seus principais momentos.
.
Mais verde! Mesmo fora do Parque San Martin
O tour por Mendoza continua...

..

Museu da Area Fundacional de Mendoza - Localizado no coração do centro histórico da Cidade Velha, onde antigamente funcionava o Cabildo de Mendoza, sobre a atual praça Pedro del Castillo, encontra-se o Museu da Area Fundacional. No seu interior podemos apreciar uma câmara subterrânea que contém os restos arqueológicos do Cabildo mendocino, que foi destruído pelo terremoto de 20 de março de 1861; e os restos do Matadouro Municipal e da Feira de Frutas e Hortaliças. Claramente pode ser observado o chão das salas capitulares do cabildo, composto de ladrilhos crioulos, e a placa de asfalto, e ladrilhos vermelhos pertencentes ao matadouro e ao mercado de frutas, respectivamente. Entre os objetos que se exibem encontramos dioramas, fotografias e maquetas que recriam a história e evolução da cidade, além de objetos extraídos que datam da época do devastador terremoto.
.
.
Plaza Independência - Do centro, seguindo pela Peatonal sentido oeste, encontra-se essa praça, a mais central e talvez a mais bonita de Mendoza. À noite, o chafariz é iluminado com um pequeno show de luzes. Há também uma tradicional feira de artesanato e, de vez em quando, apresentações musicais.

.
Praça España - A Praça Central da Independência possui quatro praças-satélite: España, Chile, Italia e San Martín. Para nós, a mais bonita é a España, pois em toda ela se verificam azulejos espanhóis lindíssimos!
.
O Comércio - Na cidade, o comércio não deve nada a Buenos Aires ou qualquer outra grande capital O melhor shopping é o Mendoza Plaza Shopping, que fica fora da cidade (mas se ninguém avisar, você jamais perceberá que não está em um bairro da própria capital da província).
.
Enfim, por tudo isso e por muito mais, Mendoza enriqueceu nossa bagagem com maravilhosas lembranças.
.
Viagem realizada em Abril de 2009.

Obrigado pela visita!
.
Para ver qualquer outra matéria, clique em uma das opções no menu
que se encontra quase no topo do blog, na coluna do lado direito.

22 comentários:

  1. Olá!
    Como posso me comunicar com os autores deste blog?

    ResponderExcluir
  2. Estaremos encaminhando em breve uma mensagem para o seu endereço eletrônico.

    ResponderExcluir
  3. vou realizar o mesmo que vcs, muito grato por tudo....

    ResponderExcluir
  4. AMEI TODAS AS DICAS, COM CERTEZA IREI REALIZAR MUITAS DELAS EM MEU PASSEIO, OBRIGADA....

    ResponderExcluir
  5. notei que estao com roupas leves, qual mes que voces foram para lá ???

    ResponderExcluir
  6. Não lembro bem o mes que nós fomos. Mas lembre-se sempre que durante a noite a temperatura cai bastante. Para saber melhor a temperatura, procure no wather channel! Lá você irá encontrar a mínima e a máxima temp do período que pretende viajar.

    ResponderExcluir
  7. Olá Eliane, excelentes dicas. Estarei em Mendoza por apenas dois dias, de passagem para Las Lenas, e desejo conhecer as vinícolas. Considerando a distancias das regiões e o pouco tempo que disponho, qual das regiões você recomendaria se fosse pra escolher apenas uma?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpe. Só vi agora. Mas seria difícil escolher...

      Excluir
  8. Muito legal..! Minha esposa e eu já estivemos 4 vezes em Buenos Aires. Agora em março/2013 iremos passar uma semana em Mendoza e as dicas de vocês foram super úteis para nos auxiliar no planejamento da viagem e do roteiro.
    Valeu, obrigado..!
    Abs,
    Sérgio e Lurdes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom! Espero que já temham 8do e curtido muito!

      Excluir
  9. Pessoal adorei toda essa informação. Queria deixar a recomendação da Internacional Mendoza. Que fez os tour de bodegas com eles e foi muito bom e com preços ótimos. o contato é a Juliana o email dele é julianatrevisan@intermza.com

    Abraço! adorei o blog!!!

    ResponderExcluir
  10. Acabamos de voltar de uma belíssima temporada em Mendoza, e utilizando dos comentários aqui postados, fechamos com os serviços de Santiago Petenatti! O que temos a relatar de seu atendimento e sua cordialidade, apenas ajudaria a acrescentar o que já foi descrito, todavia nossa experiência com o Santiago foi digna de nota 10 com louvor! Nos pegou no aeroporto e nos deixou no hotel como parte do pacote dos serviços , seu veiculo , um Renault Fluence, é muito novo, e impecável , todo dia estava reluzindo, ele cuida muito bem de sua ferramenta de trabalho!Os passeios que fizemos , foram todos escolhidos por mim e ele reservou todos,, fizemos: PULENTA ESTATE, o melhor, CATENA ZAPATA, visita totalmente dispensável para quem teve experiências melhores, se quiserem fazer a visita, deixem por ultima, e finalizamos com RUCA MALEN, onde almoçamos com a harmonização de pratos, um luxo indispensável !Fizemos o passeio de Montanha e vimos a neve pela primeira vez, com uma bela apresentação de Santi, que preparou uma surpresa emocionante !E para finalizar fizemos uma visita a Potrerillos,
    com um passeio a cavalo impressionante, tanto pelo passeio quanto a paisagem , e do assado que fechou com chave de ouro nossa experiência nesta bela cidade e com a atenção e dedicação de Santi em querer sempre nos impressionar e fazer de nossa estadia um clima único, RECOMENDASSIMO!!!!
    Su e-mail : santipetenatti@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei suas dicas! Da próxima irei experimentar! Obrigada

      Excluir
  11. Eu e minha esposa viajamos para Mendoza em setembro de 2013. Contratamos os serviços da Nossa Mendoza (www.nossamendoza.com/info@nossamendoza.com) para o transfer in/out e passeios . Todo o contato pré-viagem foi realizado por e-mail, em português, com a Mariana, que prontamente respondia a todas as minhas consultas, até chegarmos ao roteiro ideal e personalizado. Foram quatro dias de experiências inesquecíveis em Mendoza, sendo três dias de tours por vinícolas (Andeluna, Salentein, O’Fournier, Achaval-Ferrer, Renacer, Pulenta, Norton e Ruca Malén) e um ao parque do Aconcágua. Como cortesia, fomos brindados com uma visita a uma produtora familiar de azeites extra virgem chamada Pasrai. Muito do sucesso da viagem e da vontade de retornar devemos ao carinho, atenção, cordialidade, dedicação e competência da equipe da Nossa Mendoza. Os veículos são confortáveis, novos, limpos e conduzidos com muito profissionalismo. Os tours são privativos. A Mariana fala fluentemente português, tem ótima conversa e excelente conhecimento sobre as vinícolas e aspectos turísticos de Mendoza. Ela também se prontificou a fazer reservas em restaurantes renomados de Mendoza (Anna Bistrô e Azafrán) e nos indicou o Francesco, com sua excepcional cozinha italiana. Não posso deixar de registrar meus elogios ao Eduardo, pai da Mariana, com quem fizemos dois dias de passeios. Ele foi um excelente anfitrião e sabe tudo sobre a região. Durante os passeios conhecemos também o Santiago e o Ezequiel, que integram a equipe, e igualmente demonstraram ser muito simpáticos. Os preços são justos pela qualidade dos serviços.

    ResponderExcluir
  12. Gostaria de contribuir, uma excelente dica é contratar pessoas especializadas para a visitação das vinicolas, pois eles conhecem todas e o custo é parecido com o aluguel de um carro, a dica é a Nossa Mendoza, site http://www.nossamendoza.com. é só falar com a Mariana que vcs vão adorar e aproveita e pede a ela pra ajudar com o cambio, aí vcs vão ver que vale a pena pois eles conseguem algo muito superior ao praticado pelas casas de cambio. Sem duvida vcs vão gostar.

    ResponderExcluir
  13. Adorei o Blog! Pretendemos fazer esta viagem em abril. É uma boa época?
    Obrigada Simone

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário. Não fui lá nessa época. ..

      Excluir
  14. Visitamos Mendoza de 28-Dez-2014 a 02-Jan-2015 e adoramos! Conhecemos as seguintes Bodegas:

    - Luján de Cuyo: Achaval - Ferrer (vinho excelente!), Chandon e Dominio del Plata (almoço com serviço mediano)
    - Maipú: Carinae, Trapiche e Zuccardi (ótimo almoço)
    - Valle de Uco: Pulenta Estate, Salentein e La Azul (almoço imperdível!)

    Contratamos os serviços da Nossa Mendoza e quem nos atendeu foi o Ezequiel Manrique (ezemanrique@hotmail.com). Recomendamos muito! Foram sempre muito profissionais, pontuais e, particularmente, o Ezequiel demonstrava grande conhecimento da história da Argentina, de Mendoza e das bodegas, o que achamos um diferencial. Além disso, depois de beber muitos vinhos rs, foi bastante conveniente termos alguém que nos transportasse em carro privado de uma bodega a outra sem nenhuma "dor de cabeça".

    Para o réveillon, fomos ao restaurante da Nadia O.F.. Ambiente muito aconchegante, com comidas e vinhos (O. Fournier) maravilhosos! E a Nadia (em si) é uma simpatia, atendeu a todos com muita alegria, deixando-nos muito confortáveis e felizes!

    Aproveitem sua viagem para Mendoza! Vale la pena!

    ResponderExcluir

Quer comentar? Escreva aqui!