sexta-feira, 17 de julho de 2009

Caminhando na Geleira


Ponto de Partida para a caminhada
sobre o Glaciar Perito Moreno

El Calafate não é o fim do mundo, mas é quase... É belíssimo! Uma paisagem totalmente nova para nós, brasileiros. É uma cidadezinha encantadora, ponto de partida para inúmeras geleiras. (Veja a matéria El Calafate e as Geleiras)
Esta matéria sobre a caminhada no Glaciar Perito Moreno é dedicada a nossos amigos, companheiros da Viagem ao Fim do Mundo.
Fomos para lá em 2007, aproveitando um Congresso de Dermatologia realizado em Buenos Aires, a natural escala para se chegar a El Calafate, o que torna esse destino ainda mais convidativo, pois ninguém desconhece que uma paradinha em Buenos Aires é sempre muito benvinda! E como não poderia deixar de ser, nós aproveitamos bem essa estada introdutória da viagem. Confira! (Mi Buenos Aires Querido.)
De todos os glaciares, Perito Moreno é o mais fascinante, principalmente por ser o único da região que se pode acessar para fazer caminhadas. Nossos companheiros de viagem já haviam regressado ao Brasil e não puderam curtir essa experiência inédita e incrível. Totalmente diferente de caminhar na neve ou esquiar...
Trata-se de andar sobre um glaciar! (Uma geleira ou glaciar é uma grande e espessa massa de gelo, formada em camadas sucessivas de neve, compactada e recristalizada, de várias épocas, em regiões onde a acumulação de neve é superior ao degelo. É dotada de movimento e se desloca lentamente, em razão da gravidade, relevo abaixo, provocando erosão e sedimentação glacial.)
O Glaciar Perito Moreno, localizado no sul da Argentina, é um daqueles raros espetáculos de exuberância natural que despertam a consciência da fragilidade humana e fazem meditar sobre a dimensão do tempo. Enorme rio congelado com área de 195 km2, ele existe há pelo menos 30 mil anos e é uma das únicas geleiras do planeta que continua crescendo.
Por tudo isso e ainda, pela gostosa sensação de aventura, a caminhada sobre o Glaciar Perito Moreno é uma das experiências mais inesquecíveis!
Tudo começa bem cedo. Até chegarmos ao Parque ds Glaciares temos uma estrada pela frente e uma travessia de barco. Após aportarmos e depois de uma curtíssima caminhada, já chegamos na parte do gelo. Aí, nos colocam um sapato cheio de grampos para que possamos caminhar sobre a superfície escorregadia. Começa a emoção...
É meio incômodo sentir que para subir e descer as montanhas de gelo é necessário fincar os grampões sobre a superfície branca. Confesso que dá uma certa preocupação de não conseguir realizar essas passadas "encravejadoras" no gelo, principalmente porque ao longo do caminho passamos bem rente a várias fendas muito profundas. Também não nos dão muito tempo para aprender como fincar os pés durante a descida sem capotar! Apenas nos mostram rapidamente como posicionar os pés para evitar uma eventual capotagem e logo em seguida já estamos de partida!

Óculos escuros são indispensáveis, pois os raios solares refletem uma luminosidade no branco do gelo que quase nos cega. Dependendo da profundidade de algumas fendas ou túneis, o gelo se colore de um azul indescritível. É lindíssimo!

E assim começávamos nossa caminhada sobre o Glaciar Perito Moreno

Logo que o aclive começou a aumentar, pensei em desistir. Vários desistiram! Nesse trecho nos alertaram que seria o último local passível de desistência, pois havia um guia especialmente preparado para acompanhar quem não quisesse prosseguir. Posteriormente não seria mais possível retornar, tampouco parar, já que não passaríamos pelo mesmo caminho até o término da aventura.

Lá no alto, uma repetição do relevo da terra firme que conhecemos, só que com todas as peculiaridades dos glaciares, que se formaram há milhares de anos. Assim, passamos por lindos lagos e rios. Fascinante! Fascinante! Mil vezes fascinante! Tivemos que saltar para atravessar alguns desses rios e continuar nosso trajeto. Nessas horas, eu quase morria de medo... mas não podia retornar rsrsrrsrsrs...

Havia também alguns túneis que a natureza cuidadosamente esculpiu nessas montanhas milenares de gelo. Eram lindos! Esse, da foto acima, eu não tive coragem suficiente para atravessar. Enquanto o Paulo seguiu com os guias que fariam a travessia, eu preferi acompanhar outros, para contornar aquele trecho da montanha... Foi aí que me arrependi! Acho que a travessia seria menos assustadora que contornar a montanha, com o precipício ao meu lado. Confesso que fiz esse pequeno, mas assustador trajeto, somente porque não havia mais a possibilidade de desistir. Então, de mãos dadas com o guia, me arrastei até o outro lado, pensando o quanto idiota eu era para querer sofrer e passar por tanto medo e esforço... e ainda pagar por isso! (a caminhada não é barata, pois são necessários muitos guias por grupo)

A partir daí o caminho foi ficando cada vez mais difícil e assustador...

Em determinados trechos os guias nos alertavam para que não ficássemos lado a lado! Tínhamos que andar em fila indiana! Não podíamos sair, de jeito algum, da rota traçada pelos guias, que iam testando a firmeza do gelo com seus enormes martelos. Êles furavam o gelo com o lado ponteagudo desses martelos para verificar se a superfície estaria realmente firme ou se poderia ceder. Nessa hora o medo aumentou!!
"E se eu cair? ", perguntei. Eles responderam que era pra eu cair pra frente ou para trás. Jamais para os lados! Fiquei a pensar... ninguém programa que vai cair, simplesmente, cai! Como então alguém pode programar para onde vai cair??

Um dos guias descansa o martelo sobre o ombro,
enquanto nos mostra a cratera que se abre após perfurar o gelo

Havia horas em que eu só tentava imaginar o quanto ainda faltaria para que aquela tortura acabasse...

De repente... surpresa! Do alto de uma montanha avistávamos algo que parecia ser o final apoteótico do passeio! Cheguei a pensar em miragem... Mas felizmente não era! Foi então que os guias explicaram, no topo daquela última montanha, que após todo aquele esforço nós merecíamos um prêmio. E lá estava!

Palavras são dispensáveis! Após a descida... o nosso prêmio! Importante é ressaltar que o gelo da bebida foi extraído por um dos guias ali, naquela hora, sob nossos olhos, exatamente daquela enorme fonte! Um gelo milenar!

Todos merecíamos! Parece que aquele medo todo tinha acontecido há muito tempo! Já estava esquecido. Superado pelo orgulho da façanha!

Um brinde, com a gostosa sensação de ter vencido o medo!

Uma aventura para não esquecer! Pode parecer sadomasoquismo, mas depois que acaba, dá uma sensação muito prazerosa saber que você foi capaz! Recomendo!

Após a caminhada no gelo, faz-se uma parada no abrigo ali existente na beira do lago.
Nesse abrigo havíamos deixado tudo aquilo que poderia nos atrapalhar durante a caminhada, inclusive nossas mochilas. Quase todos que fazem esse passeio carregam mochilas com lanches previamente preparados nos hotéis, já que não há bares ou lanchonetes no sopé da geleira.
Todos os hotéis e pousadas de El Calafate orientam os turistas para encomendar esses lanches de véspera, já que o passeio começa às 6 da manhã. Por tudo isso, verificamos que há uma estrutura bem bacana para o turista e para a manutenção da natureza intacta.

Após o lanche, atravessamos o lago de barco. Do outro lado, avistávamos Perito Moreno de uma das passarelas.

Obrigado pela visita!
Para ver qualquer outra matéria clique
em uma das opções no Índice.

3 comentários:

  1. Olá! Esse passeio que você fez foi o minitrekking ou o Big Ice?

    ResponderExcluir
  2. Olá Lucelia! Foi o minitrekking. O Big Ice não é nem permitido para maiores de 40 anos! A menos que sejam veteranos no esporte.

    ResponderExcluir
  3. Oi Eliane!
    Li um comentario seu em um blog antigo sobre Milao e em seguida entrei no teu blog para seguir as tuas viagens. Vi que recentemente voce e seu marido passaram pela Italia. Li tambem teu post sobre Milao e concordo com voce.
    Eu moro em Milao faz 11 anos e no inicio de outubro lancei um blog sobre Milao para brasileiros...Estou no começo, mas bem entusiasmada com o projeto (em quanto isso, estudo para o exame de guia turistico de Milao).
    Se te interessar, de uma passada por la. Se chama Milão nas mãos
    Nao vou escrever aqui o link porque pode ser que meu comentario vire Spam.
    Na proxima vez que passar por aqui, de um alo!!
    Abracos,
    Mage Santos

    ResponderExcluir

Quer comentar? Escreva aqui!